Dicas

Se tem uma brasileira que entende de Everest, esta pessoa é a Karina Oliani. Além de ter trabalhado como médica na montanha, ela também já alcançou o cume duas vezes, sendo a brasileira mais nova a chegar ao topo do monte mais alto do mundo e a única mulher sul-americana a chegar ao topo pela face norte, a mais difícil.

Nós separamos algumas das principais dicas da própria Karina e trazemos aqui para vocês. Vale lembrar que a trilha até o Acampamento Base do Everest é uma das mais lindas do mundo, mas ela também reserva alguns desafios. Para chegar ao topo, o caminho ainda é muito mais longo e difícil. Então, deixaremos essa expedição para outro post 😉

Foto: Karina Oliani/Divulgação
Foto: Karina Oliani/Divulgação
  1. Prepare-se fisicamente – Antes de embarcar, faça uma boa preparação física. Coloque os exames em dia e comece a se preparar para estar forte o suficiente para aguentar muitas horas de trilha e com a mochila nas costas. Uma dica interessante para quem vai treinar na academia é fazer as caminhadas ou corridas sempre com a esteira inclinada entre 15 e 20º, assim você já vai se acostumando com a subida da montanha. Além disso, duas semanas antes da viagem é interessante treinar com a mochila nas costas, para que o corpo vá se acostumando com o peso extra.
  2. Escolha bem as roupas e equipamentos – Segundo Karina, isso pode definir toda a viagem. Calçados, roupas, acessórios e até a escolha da mochila devem ser pensados e planejados com a ajuda de um especialista em montanhismo, que vá considerar as condições do clima, do terreno, o cronograma da viagem e até mesmo as condições físicas do aventureiro. Se tem algo que merece atenção é isso. Faça check lists para não esquecer de nada e teste tudo antes de ir, principalmente os calçados.
  3. Leve um kit médico – Alguns tipos de remédios são essenciais nesta viagem. Parte deles você até consegue comprar nos vilarejos pelo caminho, mas com valores absurdamente mais caros. Portanto, faça um kit e leve ele na mala. Além de ter os materiais para primeiros socorros, leve remédios para diarreia, para dores musculares, dores estomacais e anti-inflamatórios.
  4. Tenha sempre lenços umedecidos na mala – Em trilhas longas, independente de ser no Everest ou em São Paulo, banho pode ser um artigo de luxo. Portanto, tenha sempre lencinhos umedecidos para fazer a higienização do corpo, quando não for possível tomar um banho de verdade.
  5. Leve papel higiênico (e dos bons) – Os banheiros e os hábitos de higiene variam muito entre o oriente e o ocidente. Portanto, fazer uma trilha no Everest significa usar banheiros muito diferentes dos usados no Brasil. Esteja preparado para “improvisar” na hora de fazer as suas necessidades e tenha sempre em mãos o seu próprio papel higiênico, pois este não é um item comum por lá. Um bom aviso, é para não economizar no papel. Leve um de boa qualidade, já que a altitude resseca o corpo todo e usar um papel ruim pode significar muitos problemas lá na frente.
  6. Álcool gel – No kit de higiene e “sobrevivência” lembre-se de incluir um álcool gel e deixe-o sempre fácil, principalmente, para ser usado antes das refeições.
  7. Respeite as tradições e costumes locais – Uma viagem deste tipo não pode ser feita sem uma imersão cultural. Esta pode ser uma oportunidade única, portanto, aproveite cada detalhe. Para conseguir entender e aproveitar ao máximo tudo o que essa experiência pode proporcionar, pesquise bastante antes de ir e esteja aberto para viver as tradições e os costumes locais, principalmente os que são relacionados às religiões, pois eles têm grande influência em tudo o que existe em torno do Everest.
  8. Evite comer carnes – Um dos costumes locais mais comuns é o hábito de não comer carnes, principalmente devido às religiões orientais, como o budismo e o hinduísmo. Portanto, as carnes comercializadas na região do Everest vêm de muito longe e estão expostas a condições de higiene pouco favoráveis. Para evitar problemas intestinais, uma sugestão é não se alimentar de carnes por lá. Como é necessário garantir a ingestão de bastante proteína para aguentar a trilha, alimente-se de ovos e suplementos proteicos, que são práticos, fáceis de carregar e seguros.
  9. Use sempre óculos de sol e boné ou chapéu – Óculos de sol é um item imprescindível nesta viagem, independente da estação do ano. Devido à altitude, os raios ultravioletas atingem o corpo com muito mais intensidade. Portanto, invista em um bom óculos com proteção UV. A mesma dica vale para proteger a cabeça, assim, use sempre bonés ou chapéus e, de preferência, modelos que tenham tecnologia de proteção ultravioleta.
  10. Use muito protetor solar – A lógica aqui é a mesma por trás da dica sobre os óculos de sol. Para proteger a pele dos raios ultravioletas, o ideal é passar protetor solar a cada quatro horas. Isso deve ser feito mesmo quando o tempo não está muito ensolarado. Lembre-se também de usar protetor solar labial e, se a trilha for feita sem luvas, proteja também as mãos.
  11. Hidrate-se muito – Em locais com muita altitude é preciso se hidratar ainda mais. Portanto, em uma viagem ao Everest, o recomendado é ingerir de três a cinco litros de água por dia, para compensar a altitude e também a perda de líquidos decorrente da própria atividade física.
  12. Respeite o seu ritmo – Cada pessoa tem um ritmo de trilha. Alguns conseguem andar mais rápidos, outros passam com mais facilidade por obstáculos. Portanto, o ritmo é algo muito pessoal. Pensando em uma viagem em que é necessário andar por várias horas durante muitos dias, respeitar os limites pessoais é vital. Não tente acompanhar o grupo, pois o corpo vai sentir e o restante do trajeto e cronograma pode ser muito prejudicado.
  13. Dê tempo para aclimatação – Acostumar-se com a altitude é muito importante para ter sucesso nesta aventura. Portanto, respeite as recomendações sobre aclimatação. Deixe que o corpo tenha tempo para reconhecer às condições a que está exposto e se acostume a elas. Isso evitará dores, fadiga e muitos outros problemas até mais graves, que podem prejudicar a sua viagem.
  14. Aproveite cada detalhe – O Everest e os caminhos que levam a ele são alguns dos lugares mais bonitos do mundo. Portanto, separe um tempo para apreciar a paisagem, a cultura e vivencie intensamente toda a imensidão e beleza da natureza.

Escrito por

Thaís Teisen

Jornalista, formada pela FIAM-FAAM, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Metodista de São Paulo. É apaixonada por esportes, natureza, música e faz parte do time The North Face de Conteúdo Digital.