Dicas

Um bom aventureiro está sempre disposto a encarar novos desafios. Nem sempre essas oportunidades são marcadas com antecedência. Para não perder nenhuma delas, o melhor é sempre deixar os equipamentos, roupas e acessórios no esquema.

Para dar uma ajudinha e facilitar na hora de arrumar as malas, nós separamos 10 itens básicos que não podem faltar na mochila de um trilheiro. Confira:

  1. Uma boa cargueira

Na hora de escolher a mochila ideal, não é apenas o tamanho que conta. Atente-se aos ajustes, principalmente das costas e alças. Alguns modelos são desenhados para se adaptar melhor ao corpo das mulheres e isso faz uma diferença enorme durante as longas caminhadas com peso nas costas. Outro detalhe importante é a quantidade de bolsos que a mochila possui, já que isso pode facilitar (e muito) toda a dinâmica na trilha.

Mari Britto - Foto: Alberto Andrich
Mari Britto – Foto: Alberto Andrich
  1. Invista em uma jaqueta impermeável

Todo aventureiro precisa ter uma jaqueta impermeável sempre na mochila. Mesmo em dias de sol, o tempo pode mudar no meio da trilha e ninguém quer seguir viagem com a roupa molhada, né? As impermeáveis são usadas como a última camada de proteção. Então, no inverno, elas também podem sobrepor um casaco com isolamento térmico, te mantendo protegido do vento e da chuva ou neve. Já no verão, são essas jaquetas que vão te manter a salvo das chuvas torrenciais.

  1. As botas e meias corretas

Para suportar as longas horas de caminhadas é preciso ter um par de botas adequado para evitar que os joelhos sejam sobrecarregados pelo impacto ou que os pés fiquem machucados em consequência das pedras, raízes, desníveis e outros obstáculos que podem aparecer pelo caminho. No meio disso tudo, a meia pode parecer apenas um detalhe, mas são essas pequenas coisas que fazem uma enorme diferença. Use meias com costuras retas, respiráveis e com tecidos se secagem rápida. Isso evita que os pés fiquem úmidos e que o atrito ocasione bolhas.

TNF-ON MOUNTAIN-UTAH-DSC_2983

  1. Uma barraca leve

Se tem algo que merece atenção é o peso da barraca. Ninguém quer passar horas carregando peso à toa. Então, atente ao peso da barraca, à capacidade delas e também a quais condições climáticas elas são mais indicadas. Locais muito frios e com fortes ventos pedem equipamentos diferenciados.

  1. Saco de Dormir e Isolante térmico

Esses são os principais responsáveis por uma boa noite de sono em qualquer acampamento. Escolha o saco de dormir indicado para o clima local e leve sempre um isolante térmico. Ele ajuda a manter o calor do corpo, impede a passagem da umidade e ainda dá uma “amaciada” no chão.

2013-08 Kemple Rainier Youth 040

  1. Protetor Solar

Isso é básico. Seja na cidade ou na montanha, nunca saia de casa sem o protetor solar.

  1. Lanterna

Lanterna de mão, headlamp e até lampiões são sempre bem vindos e necessários para que você possa se localizar e ficar protegido durante as noites na mata. Lembre-se sempre de checar as baterias e pilhas. Existem lanternas portáteis com dínamo, que são recarregadas pelo próprio movimento, e outras compatíveis com entradas USB, para que sejam conectadas a um carregador portátil/solar.

Sam Elias. Dolomites, Tre Cime, Italy. Photographer: Tim Kemple. The North Face Rights Expire: 09_10_16

  1. Squeeze/Cantil/Bolsa de Hidratação

Hidratação é uma palavra chave nas trilhas. Beba pequenos goles de água a cada 30 minutos, mesmo que você não tenha sede. Para isso, tenha os reservatórios sempre abastecidos, seja em um squeeze térmico, um cantil tradicional ou a própria bolsa de hidratação compatível com a mochila.

  1. Kit de Primeiros Socorros

Tenha um kit de primeiros socorros sempre na mochila. Equipe o seu estojo com itens para ataduras e remédios para dores e mal estar.

  1. Papel Higiênico

Algumas necessidades não escolhem horário e nem local. Nesses momentos, um rolo de papel higiênico é sempre o seu melhor amigo. Não esqueça de enterrar os seus resíduos sólidos e ter sempre um saquinho em mãos para carregar o papel até o próximo lixo. Evite evacuar próximo aos rios, para não contaminar o curso d’água.