Foto: Arquivo Pessoal

Saiba o que as mães do escalador Felipe Camargo e da corredora Fernanda Maciel têm a dizer

Todo mundo sabe a importância que uma mãe tem na vida de um filho. Em todas as etapas, são elas que estão ali pertinho, acompanhando, cuidando e, acima de tudo, torcendo. Qual mãe que não é a fã número 1 de seu filho? Imagine, então, como é ser essa pessoa na vida de um atleta profissional.

Para entender melhor essa relação entre mãe e filhos esportistas, nós entrevistamos dois grandes atletas The North Face, a Fernanda Maciel e o Felipe Camargo, e suas mães. Veja abaixo o que eles contaram pra gente 😉

Fernanda Maciel

TNF: Como é a relação com a sua mãe?

Fernanda Maciel: Nossa relação é muito bacana – somos bem amigas e parecidas, com afinidades em vários aspectos. Como ela é fotógrafa, adoro que ela me acompanhe em algum treino em Minas Gerais.

TNF: Ela te influenciou de alguma forma no esporte?

Fernanda Maciel: De certa forma sim, aprendi a gostar das montanhas porque ela é de uma cidade montanhosa e veio de uma família de sangue forte, de grandes valores. Aprendi com ela e com minha avó a enfrentar e ultrapassar os obstáculos, a superar os momentos altos e baixos, seguir em frente e a manter a calma.

TNF: Ela pratica algum esporte?

Fernanda Maciel: Esporte não, mas gosta muito de fazer caminhadas ecológicas por trilhas onde há possibilidade de avistar pássaros, animais silvestres, lindas cachoeiras e visual indescritível!

TNF: Vocês já correram juntas?

Fernanda Maciel: Correr não, mas caminhar muitas vezes.

TNF: Ela costumava te acompanhar nas provas?

Fernanda Maciel: Fisicamente é bem difícil, porque corro em montanhas e fora do Brasil, mas… na internet, seguindo as provas ao vivo, ela está ali: Incansável!

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Angela Moura – Mãe da Fernandinha

TNF: O que você sentiu quando a Fernandinha começou a correr como atleta profissional?

Mãe da Fernandinha: Senti muito orgulho pois sabia que este era seu sonho.

TNF: Você imaginava que a sua filha seria um atleta profissional com reconhecimento mundial?

Mãe da Fernandinha: Não imaginava, mas como estou feliz com todo esse reconhecimento fruto de sua determinação, disciplina e perseverança!!!

TNF: Como é ser mãe de atleta?

Mãe da Fernandinha: É torcer com a alma e gritar com o coração, é ficar horas e horas em frente ao computador acompanhando a competição e segurar o choro por não poder estar presente para abraçá-la na chegada ou na subida ao pódio.

Ser mãe da “Fernanda Maciel” é saber que tudo valeu à pena e que a vitória dela é a minha também!

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Felipe Camargo

TNF: Como é a relação com a sua mãe?

 Felipe Camargo: Apesar de a gente não morar na mesma cidade, a gente é bem próximo. Eu moro em São José do Rio Preto com o meu irmão e eu morei com a minha mãe até os 20/21 anos. Sempre viajei muito, sempre passei muito tempo fora. Mas, eu voltava pra casa e morava com ela quando eu estava no Brasil. Agora faz alguns anos que eu moro só eu e meu irmão. Mas, a relação é muito boa, a gente se fala todo dia. A gente é bem próximo.

TNF: Ela te influenciou de alguma forma no esporte?

Felipe Camargo: No começo ela ficava bem preocupada, porque eu era bem novo e a escalada é um esporte muito diferente, especialmente há 16 anos. Era bem pouco conhecido, mas ela sempre me incentivou. Depois que ela conheceu a galera que eu escalava, viu que era uma galera mais velha, bem responsável, ela pegou confiança, sabia que eles faziam tudo certinho e sempre me apoiou. De uma maneira um pouco mais preocupada, porque ela ficava sempre preocupada com o meu futuro, ficava preocupada que eu focasse muito no esporte e deixasse os estudos de lado, mas sempre me apoiou.

Ela me apoiava pra ir aos campeonatos, a competir e a levar como um hobby. Mas eu sempre falava que eu queria que isso fosse a minha profissão e ela ficava um pouco preocupada, mas no fundo ela sempre apoiou. Quando eu terminei o terceiro colegial ela me deu o maior apoio, porque eu falei ‘é isso que eu quero’ e ela falou: ‘então, vai. Nunca é tarde pra estudar. Você pode se dedicar alguns anos pro esporte e se não der certo, você volta e faz uma faculdade’. Mas, tá dando certo, graças a Deus.”

TNF: Vocês já escalaram juntos?

Felipe Camargo: Nunca a levei para escalar. Ela sempre foge. Já tentei algumas vezes, mas ela nunca foi escalar comigo, não. Mas, eu ainda vou levar.

TNF: Ela costuma te acompanhar nas provas?

Felipe Camargo: Ela já foi em alguns campeonatos, bem poucos, porque ela tem a vida muito corrida também. Mas, no último campeonato brasileiro que eu ganhei, ela foi lá, foi assistir. Foi bem legal, porque foi o primeiro campeonato que ela estava e que eu ganhei.

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Rosana Gomes – Mãe do Felipinho

TNF: O que você sentiu quando o Felipinho começou a praticar a escalada, entre tantas outras opções de esportes?

Mãe do Felipinho: O Fe começou a praticar escalada numa parede do SESC em Rio Preto, lugar onde tem vários esportes e quando eu perguntava o que tinha feito… escalei! Eu conheci a parede e sabia que não oferecia riscos, na verdade via como uma distração somente. Percebi que era “mais sério ” quando ele foi chamado por um dos donos da Altitude Escalada para treinar lá. Aí sim eu fiquei preocupada.

Ele era o “pirralho” da turma, o chamavam de Pikuira, viajava sempre no meio de adultos. Eu ficava com coração na mão em deixar. Talvez por conhecer pouco o esporte, eu achava que era perigoso. Devo muito à família Altitude que sempre teve olhar carinhoso com o Fe, cuidavam como paizão. A amizade me fez confiar e deixar ele seguir!

TNF: Você imaginava que o seu filho seria um atleta profissional com reconhecimento mundial?

Mãe do Felipinho: Confesso que, morando em um país do “futebol”, eu não imaginava que isso aconteceria. Temos muitos atletas bons neste país e fica mais fácil se destacarem quando aparecem com a bola nos pés. A escalada era pouco conhecida e achava difícil. Tentei várias vezes fazer com que ele levasse a escalada como Hobby e não “tão a sério” como estava acontecendo. Sempre falei que ele não conseguiria viver desse esporte. O Felipe sempre foi muito determinado, muito centrado em seus objetivos e foi conquistando a confiança de todos em casa! Aconteceu tudo tão rápido, que preciso parar e pensar quando foi que percebi meu filho um atleta com todo esse reconhecimento.

Hoje o Fe não teria adquirido em escola alguma toda a experiência de vida que ele tem. Fico muito agradecida a Deus por tudo que acontece com meu filho. É gratificante demais para uma mãe ver que seu filho tem amigos espalhados no mundo inteiro. Isso não tem preço! Meu maior orgulho é a educação que meus filhos, Felipe e Bruno, têm com todos. O Felipe hoje é reconhecido e é merecedor disso. Eu sei o tanto que esse menino batalhou pra chegar aonde chegou. Falo sempre que meu filho é um exemplo para mim. Ele pensa positivo sempre e consegue. Sou fã incondicional da pessoa que ele é! Ele merece muito!

Acredito que todas as mães sofrem muito quando veem os filhos baterem asas. Parece que perdemos nosso espaço junto a eles. Eu não gosto até hoje de ficar sem os dois ao mesmo tempo, prefiro sempre que tenha um deles para atender o celular quando eu ligar (rsrs). O Felipe sai pro mundo e não é muito de dar satisfação, vive levando bronca. O que me salva são as redes sociais onde vejo as postagens e sei que está tudo bem. O Bruno já é mais atento quanto a dar notícias e dizer que chegou bem. Eu não gosto da ausência dos dois quando viajam, mas confesso que eu AMO ver os dois juntos fazendo o que mais gostam, um a escalada e outro fotografia (que faz com excelência). Eu me orgulho da relação de cumplicidade que existe entre eles e sei o quanto eles e eu ficaríamos felizes se trabalhassem juntos, perto ou longe de mim, eu estaria duplamente feliz com a felicidade e realização dos meus filhos.

TNF: Como é ser mãe de atleta?

Mãe do Felipinho: Ser mãe de atleta é, literalmente, dividir seu filho com o mundo. Nunca conseguimos programar nada porque o Felipe está e ao mesmo tempo não está.

Hoje eu não me sinto no direito de pedir mais nada a Deus, somente agradecer por tantas realizações que ele está tendo. O Felipe é uma pessoa que está sempre buscando, buscando e buscando. Sempre se superando! Hoje talvez o meu maior sonho seja vê-los juntos, Bruno e Fe. Vamos seguir com essa meta.

Eu, como mãe, agradeço a cada um de vocês que torcem e apoiam meu filho onde quer que ele esteja, divido o meu Felipinho com maior prazer!

Um feliz dia das mães a todas as mamães, que Deus nos conduza com muita sabedoria em nossa caminhada.

Escrito por Thaís Teisen
Thaís Teisen é jornalista, formada pela FIAM-FAAM, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Metodista de São Paulo. É apaixonada por esportes, natureza, música e faz parte do time The North Face de Conteúdo Digital.