Após participar do Trekking Solidário que ajudou a arrecadar fundos para a escola construída para vítimas de tragédia no Nepal, Karina já está no Tibete rumo à Face Norte do Everest

Após o terremoto que destruiu grande parte da Índia e do Nepal, em 2015, a médica e atleta de esportes extremos, Karina Oliani, junto ao Diretor de Arte e Fotógrafo, Andrei Polessi, decidiu ajudar o povo Nepalês do Vale de Patle – local onde nasceu Pemba Sherpa, grande amigo de Karina e participante da atual Expedição ao Everest. Após ter chegado ao cume do Everest pela Face Sul em 2013, junto ao Pemba Sherpa, Karina sentiu a necessidade de ajudar os moradores de Patle, como forma de reconhecimento ao povo Sherpa. Com recursos próprios, Karina financiou obras de saneamento básico e levou água encanada a partir das nascentes para os moradores do vilarejo, inclusive construindo banheiros comunitários.

Após o terremoto de 2015, parte do Vale de Patle ficou destruído, incluindo a escola local que precisou ser interditada. “Após a tragédia, recebi o contato do Andrei Polessi e começamos juntos a pensar em uma forma de ajudar novamente aquelas pessoas que tanto gostamos. Produzimos um livro chamado ´Dharma´ com fotos incríveis durante as expedições realizadas para a Índia e Nepal entre 2007 e 2013 e tudo o que arrecadamos com a venda dos livros, foi destinado à construção da escola.” – explicou Karina.

Após aproximadamente um ano e meio de obras, a escola foi inaugurada na última semana e contou com a visita de Karina Oliani e Andrei Polessi para que as portas fossem reabertas às crianças. “Foi mágico e muito emocionante. Encontrar todas aquelas crianças e ver nos olhinhos de cada uma delas a esperança voltar a aparecer, é algo indescritível” – enaltece Karina Oliani.

Foto: Marcelo Rabelo/Divulgação

Foto: Marcelo Rabelo/Divulgação

Durante as últimas semanas, Karina fez parte de um grupo com 44 brasileiros para um ´Trekking Solidário´ pelo Nepal, organizado pelo ´Gente de Montanha´, partindo de Lukla até o Campo Base do Everest. Todo o valor arrecadado com esse Trekking também foi destinado para complementar as obras da Escola na vila de Patle. “Para mim, essa é a trilha mais bonita do mundo. Toda vez me emociono com a grandeza das montanhas e beleza única desse lugar. Poder realizá-la novamente com o objetivo de ajudar o povo local, é duplamente gratificante” – diz Karina.

Foto: Foto: Marcelo Rabelo/Divulgação

Foto: Foto: Marcelo Rabelo/Divulgação

Ao longo do Trekking, além das belas paisagens, um dos momentos marcantes foi o futebol em frente ao monastério Tengboche, jogado entre os brasileiros participantes do trekking e alguns monges do monastério, em meio à neve. “É muito diferente viajar para algum lugar necessitado e remoto, sabendo que sua passagem por ali já está, de forma prática e efetiva, ajudando o povo local. Numa expedição solidária, deixamos de ser meros turistas e nos sentimos participantes de algo maior. É se sentir parte da comunidade de fato. Um sentimento imenso de gratidão e de recompensa emocional, pelo privilégio de participar – não só como mero expectador, mas como agente atuante” – complementa Andrei Polessi.

 

Escrito por Thaís Teisen
Thaís Teisen é jornalista, formada pela FIAM-FAAM, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Metodista de São Paulo. É apaixonada por esportes, natureza, música e faz parte do time The North Face de Conteúdo Digital.