Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Com apenas 18 anos, ele já tem um currículo repleto de conquistas nacionais e internacionais

A escalada é um esporte em ascensão no Brasil. Prestes a se tornar uma modalidade olímpica, ela conquista adeptos, fãs e, principalmente, novos atletas a cada dia. E os brasileiros têm feito bonito no cenário internacional! Há poucos meses Felipe Camargo, o Felipinho, conquistou o maior feito da escalada nacional ao finalizar a via Papichulo, de dificuldade 9A+ (o maior nível internacional). Seguindo seus passos e ganhando cada vez mais respeito no mundo da escalada, vem seu xará, Felipe Ho Foganholo. Com apenas 18 anos, ele já tem um currículo repleto de conquistas – como o fato de ter sido campeão brasileiro juvenil invicto entre 2012 e 2017 – e a bagagem cheia de sonhos, como representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

As semelhanças entre os dois atletas não estão apenas no nome. Quando perguntamos em quem ele se espalhava, Felipe Ho foi enfático em falar que se inspira em Felipinho. Pelo jeito, a admiração é mútua. Em outra ocasião, ao perguntarmos qual era o nome mais forte no futuro da escala brasileira, Felipinho não receou em apostar no amigo e fã.

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Nós conversamos com Felipe Ho e trazemos aqui um pouco mais da trajetória e dos próximos objetivos desse jovem que, não é mais uma promessa do esporte, ele já é realidade.

Veja abaixo o que ele contou pra gente!

TNF: Como você começou a se interessar pela escalada? Quando isso aconteceu?

Felipe Ho: Eu comecei a escalar quando tinha 6 anos nas aulas de educação física da minha escola. Havia um murinho muito simples com dois “top ropes”. Quando peguei gosto pelo esporte, busquei um lugar mais profissional pra praticar – no caso, o ginásio que treino até hoje (90 graus) – e nunca mais parei.

TNF: Alguém da sua família já praticava esse esporte?

Felipe Ho: Não. Minha sorte foi que meus pais sempre me incentivaram a praticar vários esportes quando eu era pequeno. Triathlon, basquete, futebol, capoeira, skate ginástica olímpica e escalada. No final das contas me apaixonei por um só.

TNF: Quais eram os atletas que te inspiravam no começo e quais são agora? Por quê?

Felipe Ho: Eu sempre tive como inspiração o atleta de escalada Cesar Grosso. Desde que comecei a escalar lembro de vê-lo fazendo milhares de barras, milhares de boulders, ganhando competições internacionais. Sabe aqueles pensamentos de criança em que idealizamos heróis durante a infância? Então… o Cesinha, pra mim, treinava de capa vermelha e uniforme.

Hoje quem me serve de inspiração é o meu xará Felipe Camargo. O admiro não só por todos os feitos, mas principalmente por ter sido o primeiro atleta brasileiro a receber o reconhecimento da comunidade mundial. Esse foi o segundo episódio que me fez sonhar. Sonhar e acreditar que a realização desse sonho, que, até então, nenhum atleta de escalada nacional havia feito, era possível.

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

TNF: Como foi quando você percebeu que queria se tornar um atleta da escalada e não apenas um praticante por diversão?

Felipe Ho: Acho que um dos grandes responsáveis foi o dono do ginásio 90 graus, Paulo Gil. Ele teve muita influência na minha formação como atleta…  Foi a primeira pessoa que enxergou meu talento e me incentivou no esporte, abrindo as portas do ginásio para mim. Hoje a 90 e os escaladores de lá são parte da minha família!

Foi fácil superar a parte ruim dos treinamentos. A parte mais difícil, na verdade, foi persistir no esporte e na disciplina do treino durante as vésperas dos vestibulares. Foi a fase que mais precisei da ajuda da minha família que sempre esteve presente e disposta a tudo por mim.

TNF: Além de escalador, você também é estudante de Odontologia, certo? Como você faz para conciliar tudo?

Felipe Ho: Essa foi uma fase muito marcante na minha vida. Cursei o terceiro ano do ensino médio dessa maneira:

Meu dia começava às 5h30 da manhã, porque eu morava longe da minha escola, por isso acordava mais cedo. Minha aula começava às 7h15 e se estendia até o meio dia. Possuía duas horas para almoçar, porque logo reiniciavam os estudos com o intensivo cursinho. Regado a muito café, eu estudava de tarde das 14h às 18h, quando pegava um ônibus e ia direto para o treino. Meu treino sempre durava em torno de 3h30 a 4h. Chegava na 90 graus umas 19h30 e só saía de lá às 23h. Jantava, tomava banho e desmaiava pra recomeçar tudo de novo no dia seguinte.

Antes dessa rotina eu treinava de 4 a 6 dias na semana. Quando entramos no ano de 2016, só conseguia treinar 4 vezes na semana. Mas com muita dedicação, ambição e paixão se faz do impossível uma janela de possibilidades.

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

TNF: Qual é a sua categoria preferida na escalada?

Felipe Ho: A categoria que eu mais me identifico é a escalada em boulders e em vias. Ambas me satisfazem muito na perspectiva física do esporte. Tem a superação do grau de dificuldade, a necessidade de lidar com as adversidades como por exemplo dores, condições ambientais, frio, fome, cansaço etc.

TNF: Qual foi o seu maior desafio na escalada

Felipe Ho: Tenho duas conquistas que mais me dediquei e me orgulho:

– Boulder libertadores V14 em Ouro Preto

– Ter obtido a décima colocação no campeonato mais importante da América do Sul, especialmente em sua 10ª edição que tiveram participantes do mundo todo!

TNF: Qual é o seu maior sonho dentro da escalada?

Felipe Ho: Na perspectiva competitiva, sonho em participar dos jogos olímpicos de 2020 e ser o primeiro sul-americano a participar de finais de etapas da copa do mundo. Escalar um big wall, boulders graduados como V15 e atingir o 9a+ Fr nas vias.

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

TNF: Quais foram as maiores dificuldades que você enfrentou até hoje na sua carreira?

Felipe Ho: O principal desafio foi persistir na carreira de atleta mesmo tendo em vista os grandes vestibulares. Foi muito difícil ter passado em Odontologia na USP e manter o alto rendimento em paralelo.

O segundo maior desafio foi a falta de patrocinadores somados ao desemprego dos meus pais… felizmente sempre tive o apoio de ambos e fizemos de tudo pra chegar até aqui.

TNF: Certamente você já passou por algum perrengue que envolva escalada, pode contar um pra gente?

Felipe Ho: Quando me propus a escalar o Libertadores V14 em Ouro Preto, o clima não se encontrava nas melhores condições… muita chuva, muito calor e poucas janelas. Tivemos que cobrir a rocha com uma lona de piscina, para que não molhassem as últimas agarras, e secar o resto com papel higiênico. Foi uma verdadeira luta contra o clima.

TNF: Qual conselho você daria para quem está começando a curtir esse esporte?

Felipe Ho: Cuidado com o que você procura, porque na escalada você vai encontrar! É um esporte super completo, com muita coisa a ensinar. Vá de coração aberto para conhecer e absorver ao máximo um outro estilo de vida. Não se cobre sobre performance. Siga corretamente os procedimentos de segurança. Enquanto pratica, aproveite ao máximo os visuais ao seu redor… na maioria das vezes eles costumam ser impressionantes!

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Foto: Arquivo Pessoal/Felipe Ho

Histórico de campeonatos nacionais:

De 2012 a 2017 – campeão brasileiro juvenil invicto de boulder e via

Vice-campeão brasileiro Pro lead – 2014

Campeão brasileiro Pro – lead e vice-campeão brasileiro de Boulder – 2015

Vice-campeão – boulder e vice-campeão – Lead – 2016

3° lugar em Boulder – 2017

Histórico internacional:

World Youth Championship boulder and lead em Arco ITA – 2015

TNF master de boulder Santiago CHL (14° colocado) e Abierto de Boulder Buenos Aires ARG (12° colocado) – 2016

TNF master de Boulder Santiago CHL (10° colocado) – 2017

Escrito por Thaís Teisen
Thaís Teisen é jornalista, formada pela FIAM-FAAM, com especialização em Mídias Digitais pela Universidade Metodista de São Paulo. É apaixonada por esportes, natureza, música e faz parte do time The North Face de Conteúdo Digital.